"Mensagem da Rainha da Paz"

MENSAGEM DA RAINHA DA PAZ EM MEDJUGORJE DE 02.10.2017 "Queridos filhos, falo a vocês como MÃE, com palavras simples mas cheias de amor e de preocupação, que ME foram confiados por MEU FILHO. É ELE que, do ETERNO PRESENTE, fala a vocês com palavras de vida e semeia o amor nos corações abertos, Por esta razão os peço, apóstolos do MEU AMOR, tenham os corações abertos, sempre prontos à misericórdia e ao perdão. Pelo MEU FILHO, perdoem sempre ao próximo porque assim vocês terão a paz. Filhos MEUS, preocupem-se com a alma de vocês porque é a única coisa que pertence a vocês realmente. Vocês se esqueceram da importância da família. A família não deveria ser lugar de sofrimento e de dor mas local de compreensão e de ternura. As famílias que vivem segundo o MEU FILHO, vivem em amor recíproco. Quando o MEU FILHO era ainda pequeno, ELE ME dizia que todos os homens são SEUS irmãos; por isso lembrem-se, apóstolos do MEU AMOR, que todos os homens que vocês encontrarem são família, irmãos pelo MEU FILHO. Filhos MEUS, não esqueçam nunca de rezar pelos seus sacerdotes. Rezem para que possam aceitar todos os homens como seus próprios filhos e segundo o MEU FILHO, sejam pais espirituais. Obrigada. "
MENSAGEM DA RAINHA DA PAZ EM MEDJUGORJE DE 25.03.2017 “Queridos filhos! Neste tempo de graça convido todos vocês a abrirem seus corações à misericórdia de Deus, para que, através da oração, da penitência e da decisão pela santidade, comecem uma vida nova. Este tempo primaveril os estimula, em seus pensamentos e corações, a uma vida nova, a uma renovação. Por isso, filhinhos, Eu estou com vocês para ajudá-los a dizerem, com determinação, "sim" a Deus e aos mandamentos de Deus. Vocês não estão sozinhos, Eu estou com vocês por meio da graça que o Altíssimo me concede para vocês e para seus descendentes. Obrigada por terem respondido ao meu chamado.”

segunda-feira, 31 de março de 2014

Imagens Sacras de Jesus e Maria começaram a chorar na Rússia e Ucrânia



Parece inacreditável, mas dezenas de ícones (pinturas de Jesus Cristo e da Virgem Maria) começaram a chorar na Rússia e na Ucrânia.

O fato se deu tanto em paróquias quanto em monastérios.

Na cultura cristã católica e ortodoxa uma imagem sagrada que chora é um chamado a conversão e a penitência, pois é um sinal de tempos difíceis.

A última vez que esse fenômeno aconteceu na Rússia e na Ucrânia foi antes da revolução comunista de outubro de 1917, que causou a morte de mais de 40 milhões de pessoas só na Rússia e que espalhou a maldição do comunismo pelo mundo.

Esse possível sinal correu a Europa Oriental e despertou fortes sentimentos tanto em crentes quanto em não crentes.

As imagens estão chorando nas regiões de Rostov-on-Don, Odessa, Rivne (também conhecida como Rovno), e Novokuznetsk.


4º Domingo da Quaresma - Comentário do Frei Heliodoro, oar

O olhar de Jesus diante do cego do evangelho é compassivo, curativo, carregado de misericórdia, ternura, confiança e esperança. Bem diferente dos olhares dos fariseus, de indiferença e desprezo. No tempo de Jesus, era comum pensar, que a pobreza e as desgraças eram castigo de Deus. Jesus rejeita esta crença, mostrando que Deus é a favor da vida e do amor; e Ele, como bom pai, não olha para nós como pecadores, mas como filhos e filhas muito amados. Para Jesus diante dos problemas difíceis, o mais importante é ‘não por quê’, mas ‘para quê’. Rejeitemos para sempre a ideia boba de que Deus castiga. Deus é a luz que ilumina e dá sentido às nossas alegrias, tristezas, saúde, doença, a nossa vida e a nossa morte.
Jesus tomou a iniciativa de curar o cego sem que ninguém lhe pedisse. E o cego soube responder com valentia, com liberdade, com fé e confiança. Ele se deixou enlamear os olhos, - estranha medicina!- Mas não foi a água nem o barro que o curou; foi a palavra de Jesus e a fé do cego nele.
Com este milagre Jesus nos convida à piscina de Siloé, isto é, a encontrar-nos com Ele para, na volta, olharmos com mais clareza as coisas e as pessoas, deixando de lado os caminhos da lei fria.
Os chefes religiosos, os representantes de Deus, não estavam a fim de reconhecê-lo em Jesus e nas suas obras! Só se importam pela lei fria.  A atitude do cego, porém, é maravilhosa. Tentemos imitá-lo. Quando o cego enxergou, confessou abertamente o poder e a ação de Jesus, coisa que seus pais não o fizeram por falta de coragem. Seremos nós capazes de  proclamar as maravilhas que o Senhor realiza em nós, ou preferimos andar pelos túneis que conduzem à frustação e ao vazio, fruto da nossa cegueira espiritual?
O cego de nascimento foi corajoso. Ele não tremeu na hora de indicar a fonte de luz, Jesus de Nazaré; o causador da cura de sua cegueira: Será que nós, não permanecemos numa constante cegueira ou miopia espiritual que nos impede proclamar a presença de Jesus, a sua força, a sua mão, a sua palavra e a importância Dele na nossa vida?
O cego de nascença foi agradecido. Não sabemos se ele era alto ou baixo, inteligente ou primário, aberto ou tímido, mas sabemos sim que Jesus lhe deu aquilo que ele mais necessitava a luz, a visão. Peçamos também a Deus a luz para conhecê-lo melhor no irmão necessitado! Que possamos encontrar Deus no dia a dia da nossa vida para encontrar-nos com Ele, em plena visão, na eternidade! Amém.


domingo, 30 de março de 2014

Ciência x DEUS



“Buscar-me-eis e me achareis quando me buscardes de todo o vosso coração”. Jr, 29-13
Grandes cientistas, através de estudos, análises e experimentos nas áreas das ciências, física, astrologia, matemática... chegaram numa unânime conclusão: Deus existe!!! e a partir daí testemunham sua fé:

James Clerk Maxwell:
"Penso que os cientistas assim como outras pessoas, precisam aprender de Cristo, e acho que os cristãos cujas mentes dedicam-se à ciência são chamados a estudá-la para que sua visão da glória de Deus possa ser tão extensa quanto possível”.

Isaac Newton (1643-1727), matemático e físico:
"Devemos crer em um Deus e não ter outros deuses além dele. Ele é eterno, onipresente, onisciente, onipotente, criador de todas as coisas, sábio, justo, bom e santo. Devemos amá-lo, temê-lo, honrá-lo e confiar nele, orar a ele, dar-lhe graças, louvá-lo e santificar seu nome, cumprir seus mandamentos e dispor de tempo para honrá-lo em culto."

Gottfried Wilhelm Leibniz (1646-1716), matemático, engenheiro, filósofo e diplomata:
"A verdadeira felicidade consiste no amor a Deus, porém num amor sem preconceitos, cujo fogo arde na luz do conhecimento. Este tipo de amor gera a alegria com boas ações, que dá apoio à virtude e, tendo Deus como centro, eleva o humano ao divino."

Leonhard Euler (1707-1783), matemático e físico:
"A verdadeira felicidade pode ser encontrada somente em Deus, todos os outros prazeres nada mais são do que uma máscara vazia e são capazes de produzir apenas uma satisfação momentânea."

Alessandro Volta (1745-1827), físico:
"Submeti as verdades fundamentais da fé a um estudo minucioso. Li as obras dos apologetas e de seus adversários, avaliei as razões a favor e contra e assim obtive argumentos relevantes que tornam a religião (bíblica) tão digna de confiança ao espírito científico que uma alma com pensamentos nobres ainda não pervertida por pecado e paixão não pode senão abraçá-la e afeiçoar-se a ela. Peço a Deus que minha profissão de fé, que me foi solicitada e que eu forneço com alegria, escrita de próprio punho e por mim assinada, possa ser apresentada a todos, pois não me envergonho do Evangelho."

Wilhelm von Humboldt (1767-1835), linguista, cofundador da primeira universidade de Berlim:
"Os mistérios de Deus não são compreendidos; são adorados."
Karl Friedrich Gauss (1777-1855), matemático e físico:
"Existem questões a cuja resposta eu daria um valor infinitamente maior do que às matemáticas, por exemplo questões sobre ética, sobre nosso relacionamento com Deus, sobre nosso destino e nosso futuro. Para a alma existe uma satisfação de espécie superior, para a qual dispenso o que é material."

Friedrich Rückert (1788-1866), filólogo, pioneiro da orientalística na Alemanha:
"Fé é uma necessidade do coração. Ausência de fé não preenche lacunas. Onde se lançou fora a fé proliferará a superstição."

Augustin Louis Cauchy (1789-1857), matemático e físico:
"Sou um cristão, isto significa: creio na divindade de Jesus Cristo juntamente com Tycho Brahe, Copérnico, Descartes, Newton, Fermat, Leibniz, Pascal, Grimaldi, Euler, Guldin, Boscowitsch, Gerdil, com todos os grandes astrônomos, todos os grandes pesquisadores das ciências naturais, todos os grandes matemáticos dos séculos passados. E se porventura me perguntarem pela razão, terei prazer em explicá-la. Verão que minha convicção é resultado de estudo cuidadoso e não de preconceitos."

Michael Faraday (1791-1867), físico e químico:
"Eu confio em certezas. Eu sei que meu Redentor vive, e porque Ele vive, eu também viverei."

Karl Ernst von Baer (1792 - 1876), biólogo, pai da embriologia:
"O bondoso Criador colocou quatro desejos no homem, pelos quais podemos dizer que este é segundo a imagem de Deus: a fé, a consciência, o desejo de saber, o sentido pela estética."

Justus von Liebig (1803 - 1873), químico, patrono da Universidade de Giessen, Alemanha:
"O conhecimento da natureza é o caminho para a admiração do Criador."

James Prescott Joule (1818-1889), físico:
"Após conhecer e obedecer à vontade de Deus, o próximo alvo deve ser conhecer algo dos Seus atributos de sabedoria, poder e bondade evidenciados nas obras de Suas mãos."

Louis Pasteur (1822-1895), microbiólogo e químico:
"Quanto mais eu estudo a natureza mais fico impressionado com a obra do Criador. Nas menores de suas criaturas Deus colocou propriedades extraordinárias...”.
"Proclamo Jesus como filho de Deus em nome da ciência. Meu espírito científico, que dá grande valor à relação entre causa e efeito, compromete-me a reconhecer que, se ele não o fosse, eu não mais saberia quem ele é. Mas ele é o filho de Deus. Suas palavras são divinas, sua vida é divina, e foi dito com razão que existem equações morais assim como existem equações matemáticas."

James Clerk Maxwell (1831-1879), físico e matemático:
"Juntamente com a Assembléia de Westminster e todos que a precederam eu creio que 'o fim principal do homem é glorificar a Deus e apreciá-lo para sempre.'"

Ruy Barbosa de Oliveira (1849-1923), filólogo e cientista político:
"Nunca senti pelas vilanias humanas mais enjoos e pela sorte de nossa terra mais desânimo. Felizmente a fé em Deus se me vai acendendo, à medida que se me apaga a confiança nos homens. No meio de tantos desconfortos e iniquidade tenho-me entregado estes dias exclusivamente à leitura do Evangelho, a eterna consolação dos malferidos nos grandes naufrágios."
"Nem o ateísmo reflexivo dos filósofos, nem o inconsciente ateísmo dos indiferentes são compatíveis com as qualidades de ação, resistência e disciplina essenciais aos povos livres. Os descrentes, em geral, são fracos e pessimistas, resignados ou rebeldes, agitados ou agitadores. Mas ainda não basta crer: é preciso crer definida e ativamente em Deus, isto é, confessá-lo com firmeza, e praticá-lo com perseverança."

Max Planck (1858-1947), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1919:
"... desde a infância a fé firme e inabalável no Todo Poderoso e Todo Bondoso tem profundas raízes em mim. Decerto Seus caminhos não são nossos caminhos; mas a confiança Nele nos ajuda a vencer as provações mais difíceis."
"Religião e ciência natural combatem unidos numa batalha incessante contra o ceticismo e o dogmatismo, contra a descrença e a superstição. E a palavra de ordem nesta luta sempre foi e para todo sempre será: em direção a Deus!"
"A prova mais imediata da compatibilidade entre religião e ciência natural, mesmo sob análise detalhada e crítica, é o fato histórico de que justamente os maiores cientistas de todos os tempos, homens como Kepler, Newton, Leibniz, estavam imbuídos de profunda religiosidade."

Roberto Landell de Moura (1861- 1928), pioneiro do rádio:
"Eu sempre vi nas minhas descobertas uma dádiva de Deus. E como, além disso, sempre trabalhei para o bem da humanidade, tentando provar, ao mesmo tempo, que a religião não é incompatível com a ciência, folgo em ver hoje realizado na prática utilitária, aquilo que foi meu sonho de muitos dias, muitos meses, muitos anos."

George Washington Carver (1864-1943), botânico, agrônomo:
"Quando eu trabalhava em projetos que atendiam a uma real necessidade humana, forças trabalhavam através de mim que me surpreendiam. Frequentemente eu adormecia com um problema aparentemente insolúvel. Ao acordar, a resposta estava lá. Por que, então, devemos nós, crentes em Cristo, nos surpreender com aquilo que Deus pode fazer com um homem de boa vontade em um laboratório?"

Herbert George Wells (1866-1946), historiador e escritor:
"Como historiador preciso admitir que este pobre pregador da Galileia inevitavelmente é o centro da história."

André Siegfried (1875-1959), educador e cientista político:
"Nossa visão espiritual e não apenas puramente racional do homem..., nós a devemos à tradição judaica, que teve no Evangelho um desdobramento tão grandioso. Os profetas de Israel, aqueles brilhantes e devotos líderes do seu povo, plantaram no nosso espírito a sede de justiça que caracteriza socialmente o Ocidente."

Albert Einstein (1879-1955), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1921:
"A todo cientista minucioso deve ser natural algum tipo de sentimento religioso, pois não consegue supor que as dependências extremamente sutis por ele vislumbradas tenham sido pensadas pela primeira vez por ele. No universo incompreensível revela-se uma razão ilimitada. A opinião corrente de que sou ateu baseia-se num grande engano. Quem julga deduzi-la de minhas teorias científicas, mal as compreendeu. Entendeu-me de forma equivocada e presta-me péssimo serviço...”.

Friedrich Dessauer (1881-1963), físico, pai da engenharia biomédica:
"No fundo o ideal do homem cristão é a superação heroica de tudo o que rebaixa..., naturalmente não apenas por força própria, que é insuficiente, mas com ajuda da graça (de Deus)."

Arthur Holly Compton (1892-1962), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1927:
"Para mim, a fé começa com a constatação de que uma inteligência suprema chamou o universo à existência e criou o homem. Não me é difícil crer isso, pois é inegável que onde há um plano, há também inteligência - um universo ordenado e em desdobramento atesta a verdade da declaração mais poderosa que jamais foi proferida: 'No princípio Deus criou'."

Arnold Joseph Toynbee (1889-1975), historiador:
"E agora, quando olhamos para a outra margem, um único vulto ergue-se das águas e preenche todo o horizonte. É o Salvador - Deus encarnado no homem Jesus de Nazaré."

Werner Heisenberg (1901-1976), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1932:
"O primeiro gole do copo das ciências naturais torna ateu; mas no fundo do copo Deus aguarda."

Walter Heinrich Heitler (1904-1981), físico, recebedor da Medalha Max Planck de 1968:
"Natureza definitivamente não pode ser discutida de modo completo em termos científicos sem incluir também a indagação por Deus."

Nevill Mott (1905-1996), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1977:
"Os milagres da história humana são aqueles em que Deus falou aos homens. O supremo milagre para os cristãos é a ressurreição. Alguma coisa aconteceu àqueles poucos homens que conheciam Jesus que os levou a acreditar que Jesus estava vivo, com tal intensidade e convicção que esta fé permanece a base da igreja cristã dois mil anos depois."

Carlos Chagas Filho (1910-2000), médico, membro da Acad. Bras. Ciências:
"Estou procurando mostrar que não há incompatibilidade entre a verdade científica e a revelação: são duas coisas que tratam de espaços diferentes. Uma trata da realidade da vida, a outra trata do transcendental. E a Bíblia, que é um livro muito interessante de ser lido (principalmente Isaías), não procura ensinar à gente nada de ciência, e sim uma ordem moral. ... a Bíblia não quer ensinar como é que se fez o céu, mas quer ensinar como é que se vai ao céu. Trata-se de um preceito teológico muito importante, relativo à questão de graça: a pessoa acredita ou não. Agora, como eu respeito as pessoas que não creem, quero também que elas respeitem a sinceridade de minha fé."

Wernher von Braun (1912-1977), pioneiro da exploração espacial:
"Minhas experiências com ciência conduziram-me a Deus. Desafiam a ciência a provar a existência de Deus. Mas precisamos realmente acender uma vela para ver o sol?"

Charles Townes (1915-), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1964:
"Você pode perguntar: onde exatamente Deus entra em tudo isto? Talvez minha narrativa possa lhe dar algumas respostas, mas para mim a pergunta quase não faz sentido. Se você crê em Deus, não existe um 'onde' em particular. Ele sempre está presente... Para mim Deus é pessoal e também onipresente. Uma grande fonte de força, Ele fez uma enorme diferença para mim."

Arthur L. Schawlow (1921-1999), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1981:
"... eu encontro uma necessidade por Deus no universo e em minha própria vida ... Somos afortunados em termos a Bíblia, e especialmente o Novo Testamento, que nos fala de Deus em termos humanos muito acessíveis, embora também nos deixe algumas coisas difíceis de entender."

Antony Hewish (1924-), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1974:
"Eu creio em Deus. Não faz o menor sentido para mim supor que o universo e nossa existência são apenas um acidente cósmico, que a vida emergiu por processos aleatórios em um ambiente que apenas por acaso tinha as propriedades certas."
"Como um cristão, começo a compreender o que é a vida através da fé num Criador... revelado por um homem nascido há cerca de 2000 anos."

John Polkinghorne (1930- ), físico, teólogo, ex-presidente do Queen's College, Cambridge:
"Eu creio apaixonadamente na teoria quântica, mas tal crença não ameaça mudar minha vida de forma significativa. Não posso crer em Deus, no entanto, sem saber que devo ser obediente a Sua vontade para mim, à medida que ela se torna conhecida a mim. Deus não está aí apenas para satisfazer minha curiosidade intelectual, ele está aí para ser honrado e respeitado e amado como meu Criador e Salvador. Cuidado! Deixe-me fazer um aviso teológico de saúde, ou melhor, uma promessa: 'Ler a Bíblia pode mudar sua vida.'"

Arno Allan Penzias (1933-), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1978:
"Eu olho para Deus através das obras de suas mãos e estas obras implicam intenções. Destas intenções recebo uma impressão do Todo Poderoso."

William Daniel Phillips (1948- ), ganhador do Prêmio Nobel de Física de 1997:
"Muitos cientistas são também pessoas com uma fé religiosa bastante convencional. Eu, um físico, sou um exemplo. Creio em Deus como Criador e como Amigo. Isto é, creio que Deus é pessoal e interage conosco."

Francis Sellers Collins (1950- ), geneticista, ex-diretor do Projeto Genoma Humano:
"Não tenho razão para ver uma discordância entre aquilo, que sei como cientista que passa o dia inteiro estudando o genoma humano, e aquilo, que creio como alguém que presta muita atenção ao que a Bíblia me ensinou sobre Deus e sobre Jesus Cristo. A noção de que você deve escolher entre um e outro é um mito terrível que tem sido proposto, e que muitas pessoas têm aceito sem real oportunidade de examinar a evidência." 


EVANGELHO DO DIA - 30.03.2014 (Jo 9,1.6-9.13-17.34-38)

+ PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO DE JESUS CRISTO, SEGUNDO JOÃO 
- Naquele tempo, 1ao passar, Jesus viu um homem cego de nascença. 6E cuspiu no chão, fez lama com a saliva e colocou-a sobre os olhos do cego. 7E disse-lhe: “Vai lavar-te na piscina de Siloé” (que quer dizer: Enviado). O cego foi, lavou-se e voltou enxergando. 8Os vizinhos e os que costumavam ver o cego — pois ele era mendigo — diziam: “Não é aquele que ficava pedindo esmola?” 9Uns diziam: “Sim, é ele!” Outros afirmavam: “Não é ele, mas alguém parecido com ele”. Ele, porém, dizia: “Sou eu mesmo!” 13Levaram então aos fariseus o homem que tinha sido cego. 14Ora, era sábado, o dia em que Jesus tinha feito lama e aberto os olhos do cego. 15Novamente, então, lhe perguntaram os fariseus como tinha recuperado a vista. Respondeu-lhes: “Colocou lama sobre os meus olhos, fui lavar-me e agora vejo!” 16Disseram, então, alguns dos fariseus: “Esse homem não vem de Deus, pois não guarda o sábado”. Mas outros diziam: “Como pode um pecador fazer tais sinais?” 17E havia divergência entre eles. Perguntaram outra vez ao cego: “E tu, que dizes daquele que te abriu os olhos?” Respondeu: “É um profeta”. 34Os fariseus disseram-lhe: “Tu nasceste todo em pecado e estás nos ensinando?” E expulsaram-no da comunidade. 35Jesus soube que o tinham expulsado. Encontrando-o, perguntou-lhe: “Acreditas no Filho do Homem?” 36Respondeu ele: “Quem é, Senhor, para que eu creia nele?” 37Jesus disse: “Tu o estás vendo; é aquele que está falando contigo”. Exclamou ele: 38“Eu creio, Senhor!” E prostrou-se diante de Jesus.
Palavra da Salvação.

sexta-feira, 28 de março de 2014

"Amar a DEUS sobre todas as coisas...

"Tu és o Santo
Senhor e Deus único

Que operas maravilhas!
Tu és o forte! Tu és o grande!
Tu és o Altíssimo! Tu és o Rei onipotente
Santo Pai, Rei do céu e da terra!
Tu és o Trino e Uno
Tu és o Bem, o sumo bem, Senhor e Deus vivo e verdadeiro!
Tu és a delícia do amor!"

São Francisco de Assis

... e ao próximo como a si mesmo"

Evangelho do dia - 28.03.2014 (Mc 12,28b-34)

+ PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO DE JESUS CRISTO, SEGUNDO MARCOS 

- Naquele tempo, 28bum escriba aproximou-se de Jesus e perguntou: “Qual é o primeiro de todos os mandamentos?” 29Jesus respondeu: “O primeiro é este: Ouve, ó Israel! O Senhor nosso Deus é o único Senhor”. 30Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma, de todo o teu entendimento e com toda a tua força! 31O segundo mandamento é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo! Não existe outro mandamento maior do que estes”. 32O mestre da Lei disse a Jesus: “Muito bem, Mestre! Na verdade, é como disseste: Ele é o único Deus e não existe outro além dele. 33Amá-lo de todo o coração, de toda a mente, e com toda a força, e amar o próximo como a si mesmo é melhor do que todos os holocaustos e sacrifícios”.34Jesus viu que ele tinha respondido com inteligência, e disse: “Tu não estás longe do Reino de Deus”. E ninguém mais tinha coragem de fazer perguntas a Jesus.

-Palavra da Salvação.


Vaticano divulga agenda da visita do Papa à Terra Santa

Vaticano-divulga-agenda-da-

O Vaticano divulgou nesta quinta-feira, 27, o programa oficial da primeira visita do Papa Francisco à Terra Santa. O anúncio foi feito pelo Patriarca Latino de Jerusalém, Dom Fouad Twal, em coletiva de imprensa na sede do Patriarcado. 
Na viagem, de 24 a 26 de maio, o Santo Padre visitará as cidades de Amã, Belém, Tel Aviv e Jerusalém. A agenda prevê 14 intervenções, entre homilias e discursos, e a assinatura de uma declaração conjunta com o patriarca ecumênico (Igreja Ortodoxa) de Constantinopla, Bartolomeu, assinalando os 50 anos do encontro entre o Papa Paulo VI e o patriarca Atenágoras, em Jerusalém. 
Na Terra Santa, o Papa vai visitar, entre outros, o Santo Sepulcro, o memorial do Holocausto ‘Yad Vashem’, o Muro das Lamentações e a Esplanada das Mesquitas.

24 de maio
Na Jordânia, em Amã, primeira etapa da viagem apostólica, o Papa vai reunir-se com o rei Abdullah e Rania. Francisco vai presidir a uma Missa no estádio internacional de Amã e visitar, em seguida, o local do batismo de Jesus, junto ao Rio Jordão, onde se encontrará com refugiados da Síria e jovens deficientes.
25 de maio
O dia 25 começa com uma viagem de helicóptero até Belém para uma visita ao presidente do Estado da Palestina, Abu Mazen, seguida da Missa na Praça da Mangedoura. Francisco vai almoçar com famílias da Palestina no convento franciscano de Casa Nova e fará uma visita privada à gruta da natividade. Ainda em Belém, o Papa vai saudar as crianças dos campos de refugiados de Dheisheh, Aida e Beit Jibrin, antes de partir para Telavive, em Israel, onde vai discursar, seguindo-se depois o programa na cidade de Jerusalém. Às 18h15 (menos duas em Lisboa), de 25 de maio, Francisco vai encontrar-se em privado com o patriarca de Constantinopla para assinar uma declaração conjunta, antes do encontro ecumênico na Basílica do Santo Sepulcro.
26 de maio
O último dia da visita, 26, inicia-se visitas ao grande mufti de Jerusalém, na Esplanada das Mesquitas, ao Muro das Lamentações e a deposição de flores no Monte Herzl, o cemitério nacional de Israel. Francisco vai discursar, depois, no mausoléu do Yad Vashem de Jerusalém, em memória das vítimas do Holocausto, visitando, em seguida, os dois grãos-rabinos de Israel, no centro Heichal Shlomo. O Papa vai encontrar-se com o presidente da Israel, Shimon Peres, no palácio presidencial, e reunir-se com o primeiro-ministro Benyamin Netanyahu no centro Notre Dame. A parte final da agenda vai decorrer no Monte das Oliveiras e inclui uma nova visita ao patriarca Bartolomeu, um encontro com o clero e religiosos católicos e a última Missa, com os bispos da Terra Santa, na sala do Cenáculo, em Jerusalém.

quinta-feira, 27 de março de 2014

Garota cega volta a enxergar em Medjugorge


Cega de um olho, e curada de um momento para o outro. Não existe nada de gradual no caso  da visão de Raffaella Mazzocchi. Aos 16 anos, em 22 de dezembro de 2001, a garota italiana perdeu completamente a visão do olho direito quando estava na escola. Os médicos descobriram que o problema aconteceu devido a uma neurite ótica retrobulbar, um vírus que destrói irreversivelmente o nervo ótico.

“É um diagnóstico sem esperança de recuperação, e nenhum tratamento parecia funcionar. Eu fui forçada a abandonar a escola porque eu não conseguia estudar. Eu não conseguia nem mesmo dormir, e segui em frente com as drogas psicotrópicas, e neste estado eu vivi um pesadelo  por oito anos. Perdi a fé e  parei de frequentar a igreja”, diz Raffaella Mazzocchi em seu depoimento ao Messaggi Medjugorje.

“Um dia, minhas tias, minha mãe e minha irmã decidiram ir a Medjugorje, e a todo custo queriam me levar com elas. Eu estava relutante, mas acabei sucumbindo aos apelos da minha família, mas eu não tinha nenhuma intenção de rezar pela minha recuperação.”

Raffaella Mazzocchi e sua família chegaram a Medjugorje e subiram a Colina das Aparições em 26 de junho de 2009. Na descida, algo fora do comum chamou a atenção da família.

“Minha irmã percebeu que o sol se movia de uma forma fora do normal, e parecia estar dançando. Então, eu peguei os óculos de sol da minha irmã e com o meu olho bom, o esquerdo,  primeiro vi claramente o sol girando e pulsando, quase se aproximando do meu rosto e se afastando novamente, e então mudando constantemente de cor, tornando-se vermelho, azul, laranja, verde”, relata Raffaella Mazzocchi.


“Tirei então os óculos e comecei a chorar desesperadamente, porque percebi que tinha perdido também a visão do meu olho esquerdo e havia ficado completamente cega. Meus gritos atraíram muitos peregrinos, que se juntaram ao meu redor, mas eu continuava gritando mais e mais desesperadamente, porque sentia um forte ardor nos olhos.  

Esta cegueira total durou cinco minutos, os mais longos da minha vida. Quando minha mãe viu que eu estava em pânico, ela me sentou e procurou me acalmar de alguma maneira.

Eu fiquei com a cabeça abaixada e com os olhos fechados. De repente, senti uma necessidade urgente de abrir meu olho direito, o olho doente, e me dei conta de que podia ver as minhas mãos. Abri o outro olho e percebi que podia ver muito bem com ele também.

Movimentei as mãos para frente e para trás diante dos meus olhos e compreendi que estava curada, mas, em vez de pular de alegria, fiquei com medo e paralisada. Ao olhar para os meus olhos, minha mãe percebeu a mudança em mim e correu para me abraçar. O mesmo fizeram todos os muitos peregrinos.

Desde aquele dia, a minha visão ficou totalmente recuperada e continua ainda perfeita. E, o que é mais importante, eu também recuperei a minha fé, porque agora, finalmente, eu enxergo em todas as direções.” 

Fonte: www.medjugorjetoday.tv/6354/blind-woman-saw-after-sun-miracle

Sacramento da Ordem - Papa Francisco

A catequese de ontem (26.03.2014) do Papa Francisco foi sobre o Sacramento da OrdemSegundo o Papa, a Ordem, compreendida nos três graus de episcopado, presbiterado e diaconado, é o Sacramento que habilita ao exercício do ministério, confiado pelo Senhor Jesus aos Apóstolos de apascentar as suas ovelhas, no poder do seu Espírito e segundo o seu coração. “O sacerdote deve apascentar com amor, se não o faz com amor não serve.” O Santo Padre apresentou três aspectos importantes sobre o Sacramento da Ordem:
“Um primeiro aspecto. Aqueles que são ordenados são postos à cabeça da comunidade. À cabeça, para Jesus, significa pôr a própria autoridade ao serviço, como Ele próprio mostrou e ensinou aos discípulos com estas palavras: ‘Vós sabeis que os governantes das nações dominam e os chefes oprimem-nas. Entre vós não será assim; mas quem quiser tornar-se grande entre vós, será vosso servidor e quem quer ser o primeiro entre vós será escravo. Como o Filho do Homem que não veio para ser servido mas para servir e dar a própria vida por resgate de muitos.”
A Ordem – disse o Papa – torna capaz de apascentar o rebanho de Jesus, com a força do seu Espírito e segundo o seu coração. Na verdade, o ministro ordenado é posto à cabeça da comunidade, mas devemos entender este ato de presidir como serviço: «Quem no meio de vós quiser ser o primeiro – ensinou Jesus – seja vosso servo». 
“Uma outra caraterística que deriva sempre da questão sacramental com Cristo é o amor apaixonado pela Igreja.” 
Em virtude da Ordem – continuou o Santo Padre – o ministro dedica-se inteiramente à própria comunidade e ama-a com todo o seu coração: é ela a sua família, que deve amar com amor apaixonado. Isto, porém, sem ceder à tentação de a considerar como sua propriedade. 
“Um último aspecto, o apóstolo Paulo recomenda ao seu discípulo Timóteo que não se canse de reavivar o dom que está nele, recebido pela imposição das mãos.”
O Papa Francisco reforçou a ideia de que o ministro ordenado precisa de contínua conversão e assídua entrega à misericórdia de Deus; e esta entrega é a sua força e também um válido exemplo que pode oferecer aos irmãos da sua comunidade. 
No final da catequese o Papa Francisco pediu ao Senhor que nunca faltem nas nossas comunidades pastores autênticos e exortou os jovens a discernirem no seu coração o chamamento de Deus para uma vida de serviço total aos outros como sacerdotes.



EVANGELHO DO DIA - 27.03.2014 (Lc 11,14-23)

+ PROCLAMAÇÃO DO EVANGELHO DE JESUS CRISTO, SEGUNDO LUCAS 
- Naquele tempo, 14Jesus estava expulsando um demônio que era mudo. Quando o demônio saiu, o mudo começou a falar, e as multidões ficaram admiradas. 15Mas alguns disseram: “É por Belzebu, o príncipe dos demônios, que ele expulsa os demônios”. 16Outros, para tentar Jesus, pediam-lhe um sinal do céu. 17Mas, conhecendo seus pensamentos, Jesus disse-lhes: “Todo reino dividido contra si mesmo será destruído; e cairá uma casa por cima da outra. 18Ora, se até Satanás está dividido contra si mesmo, como poderá sobreviver o seu reino? Vós dizeis que é por Belzebu que eu expulso os demônios. 19Se é por meio de Belzebu que eu expulso demônios, vossos filhos os expulsam por meio de quem? Por isso, eles mesmos serão vossos juízes. 20Mas, se é pelo dedo de Deus que eu expulso os demônios, então chegou para vós o Reino de Deus. 21Quando um homem forte e bem armado guarda a própria casa, seus bens estão seguros. 22Mas, quando chega um homem mais forte do que ele, vence-o, arranca-lhe a armadura na qual ele confiava, e reparte o que roubou. 23Quem não está comigo está contra mim. E quem não recolhe comigo dispersa”.
Palavra da Salvação.